Background Illustrations provided by: http://edison.rutgers.edu/
Reblogged from beco-dos-livros  2 notes

beco-dos-livros:

 Eu pedi pra ele ficar,

e ele foi.

Eu queria agora,

ele depois.

Eu implorei por atenção,

ele negou.

Quando eu virei as costas,

ele voltou.

Sera que isso pode ser chamado de amor?

                                                                                Izabela Lima.

Reblogged from meninadoaparelho  584 notes

A gente nunca sabe quando tudo vai mudar ou até mesmo se um dia vai mudar. A gente nunca sabe se o “pra sempre” um dia se tornará “nunca mais”. A gente nunca sabe se vai viver até o final do dia, e se viver, a gente também não sabe o que vai ser de nós no amanhã. A gente nunca sabe. Mas talvez não seja para sabermos. Ouvi dizer que as pessoas que se lançam à descoberta desses mistérios costumam ter dois finais na vida: ou ficam loucas, ou viram poetas. O que, se formos colocar numa balança, acaba sendo a mesma coisa. By Azul ciano.   (via extinta)

Reblogged from meninadoaparelho  108,636 notes

Quando eu tinha 17 anos, li uma frase que era algo assim: “Se você viver cada dia como se fosse o último, um dia ele realmente será o último.” Aquilo me impressionou, e desde então, nos últimos 33 anos, eu olho para mim mesmo no espelho toda manhã e pergunto: “Se hoje fosse o meu último dia, eu gostaria de fazer o que farei hoje?” E se a resposta é “não” por muitos dias seguidos, sei que preciso mudar alguma coisa. Lembrar que estarei morto em breve é a ferramenta mais importante que já encontrei para me ajudar a tomar grandes decisões. Porque quase tudo — expectativas externas, orgulho, medo de passar vergonha ou falhar — caem diante da morte, deixando apenas o que é apenas importante. Não há razão para não seguir o seu coração. Lembrar que você vai morrer é a melhor maneira que eu conheço para evitar a armadilha de pensar que você tem algo a perder. By Steve Jobs (via velaste)